São 5.30 da manhã e o despertador toca, mas hoje o sono não pesa, há um fim de semana desafiante pela frente. Depois das rotinas matinais é hora de me fazer à estrada.
Hoje vamos fazer cerca de 200 km até Corby, cidade onde se situa o Circuito de Rockingham. Rockingham é um circuito em Northamptonshire (Inglaterra), inaugurado em 2001. Tem a possibilidade de fazer 13 diferentes configurações, sendo os mais conhecidos o circuito oval e o internacional. Neste circuito realizam-se centenas de provas todos os anos, alguns dos mais conhecidos são o British Superbikes e o British Touring Car Championship (BTCC). Rockingham é o circuito mais rápido da Europa, tem capacidade para 52000 espectadores... É lá o meu local de trabalho para este fim de semana e é também lá que se situa a base da Meditech Global (apesar de prestarem cobertura médica em outros circuitos).
São agora 7.45 e estou a chegar, consigo ver as bancadas ao fundo. Depois de passar na segurança dirijo me para o "Inner Padock" onde se situa o centro médico. É cedo, fui o primeiro a chegar. Aproveito para dar uma volta pelo paddock para ver alguns carros que vão competir hoje... "Belas máquinas"!

                       

Às 8 já chegaram mais elementos da equipa médica e dirijo me agora para o interior do centro médico, hoje é dia de provas oficiais e por isso temos equipa completa:13 elementos entre médicos, enfermeiros, paramédicos e técnicos de emergência.
Começamos o dia com um briefing feito pelo "CMO" (Chief Medical Officer), que é o médico chefe da equipa de hoje, e que nos põe a par de tudo o que se vai passar: que tipos de corridas vamos ter, que tipo de circuito vai ser usado, para onde é que cada um de nós vai, quais são os possíveis problemas que poderão acontecer, zonas da pista mais problemáticas, que veículos vão correr, quais os pontos fracos desses veículos, se há pilotos com algum problema de saúde que seja relevante ou com idade inferior a 18 anos, etc. Entre o briefing e um café são agora 8.45, são distribuídos rádios a todos os elementos da equipa, e cada um vai para as suas posições. Hoje há duas ambulâncias em pista, cada uma com um técnico de emergência, que darão apoio a dois paramédicos e dois médicos nos respetivos "rescue trucks". Existem ainda dois socorristas numa ambulância que farão as rondas pelas bancadas e ficam responsáveis pelos primeiros socorros a espetadores. No centro médico ficam dois enfermeiros, eu e outro colega, juntamente com o CMO e o diretor da empresa.
Começamos por confirmar os rádios para ter a certeza que toda a gente consegue comunicar com o controlo da prova, afinal de contas nenhum movimento em pista ou na boxe é feito sem a autorização do diretor de prova. Em seguida tenho de certificar se o material está todo pronto para começar a trabalhar. Na sala de "Majors" existem duas macas cada uma com um carro de emergência. Testo os desfibrilhadores, verifico o material dos carros de emergência e outro material que existe na sala e por fim confirmo toda a medicação. Passo agora à sala de "Minors", nesta sala existem também duas macas mas apenas um carro de emergência. Aplica se a mesma rotina aqui. Por fim verifico a sala dos queimados e o centro médico está pronto a ser usado.

      

São 9 da manhã e começam os primeiros treinos. Temos acesso a imagens do que se passa na pista pelo circuito de vídeo interno e temos informação a toda a hora via rádio. É muito importante que exista boa comunicação e que toda a gente saiba comunicar pelo rádio de forma eficiente, uma vez que é muito fácil de fazer uma grande confusão se cada pessoa que fala não se identificar corretamente e não disser com quem está a falar.
Os paramédicos e os médicos que estão na pista são os nossos olhos e ouvidos durante este fim de semana. A partir de agora tudo pode acontecer!
Em caso de acidentes os primeiros a chegar ao local são os paramédicos e os “rescue trucks”. Se necessário descolar-se-á uma ambulância com um técnico de emergência, para que o piloto possa ser transportado para o centro médico. Dependendo da gravidade do incidente poderá ser pedido apoio ao CMO que se deslocará no carro médico até ao local do acidente e, nesta situação, o piloto poderá depois ser transportado para o centro médico ou diretamente para o hospital. Em casos muito graves é, ainda, ativado o helicóptero de emergência do serviço de ambulâncias local, que fica a cerca de 10 minutos do circuito.
Em casos de acidentes "menores" os pilotos são normalmente observados no centro médico e têm alta podendo voltar às respetivas provas. Durante esta observação a equipa preocupa-se em perceber se o piloto não sofreu uma concussão, dando muita relevância a esta situação, uma vez que foi um problema que durante muitos anos não foi “levado muito a sério”.
A concussão, em linguagem corrente, ocorre depois de um impacto na ou com a cabeça, ou após uma lesão em chicote que resulta de um movimento brusco, da cabeça e do cérebro, para à frente e para trás. Num episódio destes pode haver ou não perda de consciência e os sintomas dependem muito do impacto e da pessoa em questão, podendo manifestar-se imediatamente ou desenvolver em algumas horas, dias, semanas e até mesmo meses após a lesão, o que também dificulta o diagnóstico. Os sintomas incluem problemas de memória, perda da consciência, confusão, sonolência, tonturas, visão dupla, dor de cabeça, lentidão de reação a estímulos, náuseas e vómitos entre outros. Todos os pilotos que são observados no centro médico têm que passar no King-Devick Test, um teste feito propositadamente para eventos desportivos que permite fazer uma rápida identificação de concussões. Em caso de confirmação ou de dúvida o piloto será transportado para o hospital para ser submetido a testes adicionais.

      

É basicamente assim um fim de semana a trabalhar com a Meditech Global, pode ser em Rockingham, Silverstone ou em outro dos circuitos do Reino Unido, no centro médico ou numa das ambulâncias é sempre uma boa experiência para quem gosta de trauma/urgência e emergência.
Há um grande convívio entre os elementos da equipa e temos a oportunidade de partilhar experiências e opiniões.
A Meditech Global é uma empresa que presta cuidados médicos em circuitos de velocidade assim como dá formação nas áreas de urgência e emergência.
É um trabalho diferente sempre com adrenalina... é o ter que estar preparado para tudo, porque de um momento para o outro tudo pode acontecer

 

 Enfermeiro Gil Figueiredo


 

Quer trabalhar no Reino Unido?