A ESCLEROSE MÚLTIPLA (EM) é uma doença crónica, não transmissível e degenerativa, que afeta o sistema nervoso central (SNC). Nos pacientes com EM a camada protetora que envolve as fibras nervosas do cérebro e da espinal medula, conhecida por mielina, é danificada pelo sistema imunológico. Consequentemente o funcionamento dos nervos é afetado e ocorre inflamação que se não for tratada e cicatrizada pode provocar uma Neurodegeneração permanente. Esta patologia surge, geralmente, entre os 20 e os 40 anos de idade, e afeta com maior incidência as mulheres. A etiologia da doença ainda não está bem identificada mas prevê-se que estão na origem inúmeros fatores genéticos, ambientais, imunológicos, infeciosos e anomalias vasculares.
A esclerose múltipla é dividida em 4 subtipos:
1. Esclerose Múltipla Remitente Recorrente (EMRR) ou Surto-Remissão
2. Esclerose Múltipla Secundária Progressiva (EMSP)
3. Esclerose Múltipla Primária Progressiva (EMPP)
4. Esclerose Múltipla Primária Recidivante (EMPR)

 

Fonte: What is MS da National Multiple Sclerosis Society
Vídeo traduzido retirado do site da Sociedade portuguesa de Esclerose Múltipla
 

Sintomas

Os sintomas associados a esta doença podem variar de pessoa para pessoa consoante a localização da inflamação e da desmielinização no sistema nervoso central. Os sitomas que ocorrem com maior frequência são:
>  Fadiga
>  Tonturas
>  Problemas sexuais
>  Parestesias - alterações sensoriais que provocam sensação de formigueiro e perda de sensibilidade
>  Alterações visuais - por exemplo inflamação do nervo ótico e visão turva.
>  Dificuldades na coordenação motora e equilíbrio
>  Dificuldades na articulação verbal (disartia) e na deglutição (disfagia)
>  Transtornos Urinários
>  Alterações nas capacidades cognitivas
>  Vários tipos de dor aguda ou crónica
>  Mudança de humor e sintomas de depressão
>  Perda de força muscular nos membros
>  Nistagmo – movimentos sucessivos e involuntários rítmicos de um ou ambos os olhos
>  Espasticidades – sensação de músculos tensos/rigidos
>  Sintoma de Lhermitte - sensação de choques que percorrem a coluna e pode alastrar para os membros

Os sintomas da EM geralmente pioram durante episódios agudos designados de recaídas ou surtos. Estes episódios geralmente são imprevisíveis, e podem ser desencadeadas por diversos fatores como infeções virais, stress e alterações climáticas, entre outros.

Tratamento

Apesar da EM ser uma doença crónica, que dura toda a vida e ainda não tem cura, já existem tratamentos que melhoram a qualidade de vida do paciente e podem alterar o decurso da doença. Existem diferentes tratamentos que utilizam fármacos com características específicas:
Medicamentos que melhoram o surto agudo - só aliviam os sintomas durante uma recaída.
Medicamentos modificadores do decurso da doença - diminuem o risco de ocorrência de surtos agudos, prolongam os intervalos de tempo de ocorrência de novo surto e podem levar a alterações na progressão da doença.
Medicamentos que controlam os sintomas - ajudam a controlar os sintomas provocados pela doença.

Links com mais informação:
Sociedade Portuguesa de Esclerose Múltipla
National Multiple Sclerosis Society
Notícia conduzida pela RTP ao médico José Vale - 4 Dezembro 2015

Artigos relacionados sobre outras doenças não transmíssiveis