Estrutura dos pulmões

Os pulmões são os órgãos do sistema respiratório, responsáveis pela entrada de gás benéfico (oxigénio) para o corpo humano e saída de gás prejudicial (dióxido de carbono) do organismo. São constituídos por Brônquios, pequenos “canais” que ligam os pulmões à traqueia, que se ramificam em vasos mais pequenos, os bronquíolos. Estes bronquíolos terminam em pequenas estruturas, os alvéolos, que estão cobertos por capilares sanguíneos. É nestas estruturas que se dão as trocas gasosas entre o meio ambiente e o organismo - passagem de Oxigénio (O2), que entra no corpo pela inspiração, dos alvéolos para os capilares (corrente sanguínea), e passagem de Dióxido de carbono (CO2) dos capilares para os alvéolos, que é expelido do corpo humano através da expiração.

O que é Pneumonia?

A pneumonia é uma doença respiratória que se identifica como uma infeção que ocorre nos pulmões. Esta infeção pode ser provocada por diferentes agentes infeciosos: fungos, bactérias, vírus e parasitas originando, assim, diferentes tipos de pneumonia. A doença surge quando estes microorganismos se instalam nos alvéolos pulmonares. Estas estruturas têm de estar limpas para que ocorram as trocas gasosas. Numa pessoa com pneumonia, estes sacos alveolares começam a ficar cheios de líquido e pus resultantes da inflamação, dificultando a passagem de oxigénio e a respiração fica muito debilitada.
Normalmente a pneumonia desenvolve-se quando alguns agentes infeciosos encontrados noutras vias respiratórias, como nariz e garganta, se espalham para os pulmões; quando se dá inalação destes microorganismos do meio ambiente ou através do sangue. Esta doença normalmente não é contagiosa de pessoa para pessoa. No entanto, existem determinados agentes infeciosos específicos que podem causar pneumonias que são transmissíveis.
A pneumonia é uma doença frequente em todas as faixas etárias e que, ainda, é responsável por muita mortalidade, principalmente infantil. Segundo as últimas estatísticas OMS - Organização Mundial de Saúde, em 2015 já se registaram 922 000 óbitos de crianças com menos de 5 anos, que poderiam ter sido evitadas. Com a devida prevenção esta doença pode ser reduzida em larga escala.

Sintomas

A pneumonia pode causar diversos sintomas que variam consoante a extensão da doença e o agente infecioso. Apesar de esta doença não apresentar sintomas caraterísticos e que são comuns a muitas outras doenças, principalmente do aparelho respiratório, os mais observados, que podem ou não ocorrer simultaneamente, são:
  Febre alta
  Arrepios de frio
  Dispneia - dificuldade em respirar
  Tosse seca ou com expetoração e por vezes sangramento
  Aumento dos batimentos cardíacos
  Dor no peito
  Dor de cabeça
  Dores musculares
  Cansaço e sonolência
  Por vezes surgem Distúrbios gastro-intestinais: diarreias, vómitos e náuseas
  Sintomas mais graves podem incluir: cianose central, diminuição de sede, convulsões, vômitos persistentes e diminuição do nível de consciência.

  Fatores de risco

► Fumo – provocado por tabaco ou outros agentes
►  Poluição do ar
►  Ingestão de álcool
►  Ar-condicionado – deixa o ar seco e como consequência facilita a infeção
►  Resfriados mal cuidados
►  Mudanças bruscas de temperatura.
►  Espaços densamente povoados
►  Pessoas com sistema imunitário debilitado
►  Subnutrição ou desnutrição
►  Pessoas com determinadas doenças respiratórias e outras (por exemplo asma e diabetes) são mais propensas a desenvolver pneumonia

Prevenção

>  Vacinação – mas só é eficaz para prevenir certos tipos de pneumonias.
>  Vacinação contra a gripe - doença vírica que afeta os brônquios e os pulmões, e por agravamento pode levar ao surgimento de pneumonia.
>  Redução da poluição do ar em lugares fechados.
>  Não fumar.
>  Ter uma higiene cuidada das mãos e boca.
>  Evitar locais fechados com muitas pessoas.
>  Evitar mudanças bruscas de temperaturas e utilizar roupa adequada aos meios.
>  Ter uma nutrição adequada e fazer exercício físico ajudam a fortalecer o sistema imunitário.
>  Beber água ajuda a manter o sistema respiratório limpo e com menos expetoração.
>  Evitar a convivência com pessoas infetadas.


Durante o Inverno a incidência das doenças respiratórias, geralmente, aumenta!

Tratamento

O tratamento vai depender do tipo de pneumonia, sendo diagnosticada medicação específica para o agente infecioso causador. Nos casos mais simples o paciente pode ser tratado em casa, mas em situações mais complicadas, por vezes, o individuo tem de ser hospitalizado.
A pneumonia é uma doença, geralmente, benigna e com cura. No entanto, por vezes é considerada uma condição médica grave que pode levar à morte. A gravidade depende de diversos fatores como: a idade, o agente infecioso, o tipo de pneumonia, do estado de saúde do doente antes do aparecimento da doença e reação à terapêutica aplicada.