Doenças sexualmente transmissíveis

As DSTs – Doenças Sexualmente Transmissíveis são doenças infecciosas que se caraterizam, como o próprio nome indica, essencialmente pela transmissão via ato ou contato sexual. No entanto a transmissão destas doenças pode ocorrer, também, pela transfusão de sangue contaminado ou pela partilha de seringas e agulhas. O HIV e a sífilis também podem ser transmitidas ao bebé se a mãe estiver infetada.
As doenças mais comuns são: Candidíase, Cancro mole, clamídia, gonorreia, sífilis, HPV, a infeção pelo HIV (mais conhecida por sida), hepatite B e herpes genital. Estas doenças quando não diagnosticadas e tratadas a tempo, podem causar problemas de saúde graves como: infertilidades, malformações congênitas, aborto, cancro e até a morte. O melhor método para evitar a transmissão de uma DST é a prevenção. Ficam aqui algumas recomendações.

Prevenção das DSTs

► Use preservativo masculino ou feminino para sexo anal, vaginal ou oral. Nenhum outro método o protege tao eficazmente da maior parte das DSTs.
► Limite o seu número de parceiros sexuais.
► Verifique o seu histórico de vacinação contra a Hepatite B.
► As raparigas devem tomar a vacina contra o vírus do Papiloma Humano – HPV, preferencialmente até aos 13 anos de idade. Em Portugal esta vacina é gratuita para todas as raparigas entre os 10 e 13 anos, e no Reino Unido entre os 12 e 13 anos, porque estão incluídas no plano nacional de vacinação do sistema nacional de saúde de cada país.
► Limpe brinquedos sexuais de cada vez que termina o ato sexual com o seu parceiro e cubra-os com preservativo antes do uso. A forma como deve limpar o objeto estará documentada no manual de compra do produto.
► Não faça sexo se o seu parceiro tem sintomas de doenças sexualmente transmissíveis, como pus ou secreção da área genital, feridas ou inchaço.
► Não presuma que o seu parceiro não está infetado, muitas infeções não apresentam sintomas.
► Use apenas lubrificantes à base de água e não óleo, dado que os últimos podem quebrar o latex do preservativo.
► Nunca compartilhe seringas, agulhas, colheres, copos, ou qualquer outro instrumento associado ao uso de drogas injetáveis. Qualquer um deles pode ser um vetor para uma contaminação.

  Sintomas gerais das DSTs

Nem todas as doenças sexualmente transmissíveis apresentam sintomatologia, o que não significa que não esteja presente no individuo, o que faz com que o contágio, por vezes, seja mais fácil de ocorrer. A contaminação destas doenças pode ser causada por diversos agentes infeciosos como vírus, fungos, bactérias e parasitas, provocando diferentes sintomas consoante a doença, mas os mais descritos são:
  Corrimento vaginal anormal – branco purulento, cinza ou amarelo, que exibe um cheiro diferente do seu padrão. Este corrimento também pode ocorrer no pénis.
  Comichão na zona genital.
  Dor ao urinar, enjoos e febre (sintoma comum ao da infeção urinaria).
  Dor ou ardência durante a relação sexual ou após a mesma.
  Sangramento genital.
  Presença de feridas na região genital, que podem formar bolhas e causar dor.
  Aparecimento de verrugas genitais, que evoluem para aspeto de “couve-flor”.

Se teve relações sexuais desprotegidas e apresenta alguns dos sintomas acima referidos, recorra aos serviços de saúde, para lhe fazerem o teste de despiste para estas doenças e, se necessário, poder usufruir do tratamento adequado atempadamente.

No Reino Unido, se quiser ser testado para as DSTs (STD’s – “Sexual transmited diseases” em inglês), ou usufruir de acompanhamento que envolva a sua saúde sexual, poderá dirigir-se a 3 locais: Sexual health clinic, Gum clinic ou Gp surgery. Nesta página do NHS pode encontrar a clinica mais perto de si.

As DSTs são doenças perfeitamente evitáveis!