Comportamentos a ter numa entrevista de trabalho!

Passado o frenesim envolto do despertar de interesse no futuro empregador, o candidato toma as rédeas ao nervosismo e avança para o momento decisivo.
“Consciencialize-se: é agora! Prepara-se, tome a dose certa de confiança, adicione simpatia e lembre-se que foram os seus conhecimentos que o trouxeram cá!” E isto serve para qualquer recrutamento, nacional ou internacional!
Para os técnicos de saúde esta não será a primeira entrevista a ter após o término do curso. Uma vez exigida já alguma experiência profissional, é natural que tenham sido bem-sucedidos num recrutamento anterior e, por esse motivo, pisaram terreno fértil e próspero a abraçar uma nova oportunidade, desta vez, internacional.

Tomando o exemplo do Reino Unido, existem alguns tópicos que merecem a nossa atenção:
1. As entrevistas tomam diversas formas, dependendo do formato de trabalho que está em questão. Se, por exemplo, o candidato tem acesso a um contrato Locum, é comum ser entrevistado telefonicamente pela própria agência Locum sua empregadora que, deste modo, toma a responsabilidade de ser a própria a testar e validar a capacidade do técnico para exercer funções no Reino Unido.
A entrevista associada a um contrato permanente, por sua vez, é realizada junto do hospital e toma uma de três variantes possíveis: via Skype, presencial ou em contexto real de trabalho, como prova do conhecimento prático da profissão.
A preparação para a entrevista é fulcral, independentemente do formato de trabalho.
A entrevista pela agência Locum é geralmente mais informal o que não implica descuido! Constituindo o empregador do candidato, a capacidade para detalhar as funções e competências desenvolvidas, definir objetivos de trabalho e assumir responsabilidade por diferentes realidades organizacionais, constituem pontos decisivos na aceitação do candidato!
Para qualquer entrevista presencial ou por Skype, o candidato deve testar o seu domínio da língua inglesa e deve-se informar sobre o hospital e os requisitos do emprego em questão, certificando-se de que é tecnicamente qualificado para o mesmo e até capaz de sintetizar exemplos práticos de situações reais do seu trabalho.
2. É de esperar que a entrevista se concentre, maioritariamente, nas valências técnicas do candidato transpostas à experiência profissional, competências adquiridas, contextos laborais trabalhados e funções assumidas pelo candidato que, por sua vez, deve saber discursar sobre os seus objetivos de carreira e transparecer motivação em conseguir a vaga em aberto e fazer parte daquela organização e equipa em específico.
3. Não existem tempos definidos para uma entrevista nem existe um só lado a questionar o outro! Uma entrevista deve gerar uma conversa de parte-a-parte e o próprio candidato deve tomar partido da sua curiosidade, gerando questões ao próprio empregador sobre o contexto que, com sucesso, possa integrar.
4. Se a entrevista passar por um teste em contexto real de trabalho, o candidato deve apresentar-se no local e hora agendados a fim de assumir, por um dia, as funções destinadas ao preenchimento da vaga sob supervisão de um membro superior.
5. Importa não esquecer de que para além da pontualidade e da apresentação de uma imagem cuidada e profissional, o candidato deverá apresentar uma postura cortês e segura durante a entrevista, expressando-se de forma clara, assertiva e entusiástica. O contacto ocular e um aperto de mão firme expressam segurança e um sorriso estimula o à vontade.

 

A importância de um bom CV

A apresentação do CV será a primeira fonte de informação que o potencial empregador terá acerca do perfil do candidato. Como tal, é importante causar uma boa impressão.
O CV é um documento que relata, sucintamente, a trajetória das experiências académicas e /ou profissionais de maneira a demonstrar as qualificações, habilidades e competências de uma pessoa.
De um modo geral o CV tem como objetivo mostrar o perfil de um candidato, a um emprego, aos responsáveis pelo recrutamento. Muitas vezes a entrega do currículo é apenas a primeira fase de admissão para um posto de trabalho podendo existir, posteriormente, a necessidade de realização de entrevistas ou provas de conhecimento, para selecionar entre os variados candidatos os que mais se adequam ao emprego em questão. O CV atualmente é a forma que mais se utiliza para preencher vagas de emprego sendo, por isso, uma ferramenta essencial para quem quer iniciar uma carreia profissional mas, também, para os que já têm experiência e pretendem agarrar novos desafios.
No Reino Unido, não é aconselhado usar o modelo Europass, principalmente se for um profissional com experiência, visto que os empregadores valorizam um modelo de cv mais personalizado.

Ficam algumas sugestões para a elaboração de um CV apelativo:
► Manter apenas a informação que é relevante para a função a que se está a candidatar. Isto também irá permitir que o seu CV não seja demasiado longo.
► Detalhar a sua experiência profissional, indicando os serviços onde trabalha/trabalhou e uma breve descrição das funções. Se é recém-licenciado, poderá colocar os estágios que realizou durante o curso.
► Não usar um software de tradução automático, quando elaborar o seu CV em Inglês.
Se quiser criar um currículo adequado a um profissional de saúde para trabalhar no RU, pode aceder à nossa página do CV Builder.